EQUILÍBRIO DE UM ADICTO EM RECUPERAÇÃO.

 Para aqueles que estão num processo de recuperação da adicção activa sabem muito bem a importância da espiritualidade, conceito não religioso sem dogmas e divindades, na mudança de estilo de vida.
Ninguém nasce adicto ao álcool ou outras drogas lícitas e ou ilícitas, ao jogo, a relacionamentos disfuncionais e dependencia, disturbio alimentar, sexo, compras (shopaholic),shoplifting (furto).

Qual foi o estilo de vida, a dada altura, que conduziu à adicção activa? Comportamento impulsivo? Não haver limites? Sensação de invencibilidade e controlo? Necessidade de “auto-medicação” com drogas licitas, incluindo o alcool, e/ou ilícitas? Dor, depressão e ansiedade?
Provavelmente existem muitas explicações, para aquele dia em que o adicto identifica, a perda do controlo, e inicia a dependencia (adicção) - está “apanhado na rede”. Ao longo da minha experiência em trabalhar com adictos, nunca ouvi ninguém afirmar que contemplava, nos seus planos pessoais, um dia tornar-se adicto. Sabemos que as consequências negativas da adicção activa, paralelamente ao prazer induzido pelas substâncias e comportamentos adictivos, todos reportam fases da sua vida de confusão, dor profunda, desorientação, isolamento, ressentimento, depressão, etc. Todas as áreas da vida de um adicto/a são afectadas, mais tarde, procuram-se as soluções para sair do problema. Geográficas, casamentos, filhos, dinheiro, novos empregos, etc. Nalguns casos, já é demasiado tarde. Porque tentou-se tudo, mas o resultado, afinal não é o desejado. O que é que é que resta fazer?
A médio prazo a sensação de vazio acompanhado com a inadequação e desilusão, pelo estigma, a negação, a vergonha, a revolta e a insegurança regressa ainda mais intensa e só é superada pelas “curas milagrosas”, de curta duração, até se retornar, novamente, ao “velhos” comportamentos do passado (ciclo adictivo); usar substâncias alteradoras do humor, jogo, sexo, relacionamentos disfuncionais e dependencia, disturbio alimentar, shoplifting (furto), compras (shopaholics). Estes são os mecanismos  da lógica adictiva que  permite atenuar o desconforto emocional. Nesta fase, reinicia-se o círculo adictivo onde não existe saída possível. A esperança desaparece. Este processo disfuncional pode levar uma vida inteira. Por ex. o individuo com disturbio alimentar andar uma vida inteira à procura da dieta milgrosa restritiva (efeito iô-iô). O individuo sente que cristalizado para atingir e realizar as suas ambições, aquilo que apelido “ um espectador da vida”. As coisas acontecem, mas não muda, nada muda, mesmo. Até ao dia do “julgamento final” em que pede ajuda ou é oferecido ajuda “seria” e construtiva.

Durante abstinência/recuperação, o individuo procura retomar o ritmo "normal" da vida e readquirir a auto confiança (estima e dignidade) e o desejo de provar aos outros de que afinal os problemas do passado são um capitulo ultrapassado. Começa a sonhar e ambiciona conquistar um estilo de vida que satisfaça os suas necessidades e dos outras pessoas significativas á sua volta. Muitos adictos/as afirmam que depois de saírem do “inferno” da adicção activa jamais desejam voltar à insanidade da doença da adicção. 
 Qual é o estilo de vida que é realmente e profundamente satisfatório?
Como seres humanos, somos seres demasiado previsíveis e complexos. Na maioria das vezes, aprendemos com os erros num caminho de avanços e recuos - tentativa e erro. Algumas pessoas aprendem mesmo, desenvolvem uma consciencia resiliente perante a adversidade, e consideram-se uns “vencedores” legítimos e merecedores, realizando que não fazem mais do que a sua obrigação moral e ética. Recuperar da adicção activa.
O adicto em recuperação adopta um estilo de vida baseado em valores que são, segundo os seus planos, o “pilar” que sustenta as fases da vida difíceis e dolorosas. Deseja ter qualidade de vida , usufruindo de momentos de profunda felicidade e gratidão, vezes sem conta e nas coisas simples da vida, considerando ter esse “direito” e a  motivação para manter a abstinência/recuperação duradoura.
A. Sistema de Prioridades (Valores) Actuais de Vida - Cultura
1º Dinheiro – “Tenho que ter dinheiro para viver. É atraves do prestigio e do poder do dinheiro que consigo realizar as minhas vontades. A forma de avaliar o meu verdadeiro valor e estima como pessoa é através do dinheiro. Se tiver dinheiro terei tudo aquilo que preciso para viver...e ser feliz”
2º Trabalho – “Tenho que trabalhar. O trabalho determina o dinheiro que tenho que ter. O trabalho que faço determina a importância do papel (status) que desempenho na sociedade e a forma como obterei sucesso na vida, em vez de ter um trabalho como qualquer ser humano."
3º Família/Relação – "Devo ser o responsável pelas pessoas significativas na minha vida. Devo providenciar os recursos de forma a satisfazerem suas necessidades e serem felizes." 
4º Self/Eu – "Tenho que ser feliz. Dedico tanto esforço e energia às prioridades anteriores que não me resta nada,... excepto agir no prazer imediato, comida, drogas, sexo, etc...Na realidade, mereço divertir-me...”
5º Espiritualidade – "Não acredito e não confio na espiritualidade. Não é uma coisa pratica no mundo verdadeiro. Deus não passa cheques.
B. Sistema de Prioridades (Valores) de Vida Baseados em Princípios Morais
1º Espiritualidade (conceito não religioso sem dogmas e divindades) – "Devo viver a vida baseada na espiritualidade, baseado em princípios de forma atingir a sobriedade e/ou qualquer outra satisfação pessoal na vida e assim contribuir com algo positivo para a vida das outras pessoas.”
2º Self/Eu – "Tenho que tomar conta de mim próprio. Necessito de adquirir auto-estima em vez de agradar aos outros. Preciso de ter respeito próprio de forma atingir a verdadeira serenidade e felicidade, no-aqui-e-agora. É na realidade isto que genuinamente possuo."
3º Familia/Relação – "A minha família são os amigos que não escolhi e as relações são mais complexas do que imaginei, por isso deixo-me controlar pelos devo isto e tenho aquilo. Entretanto, realizei que necessito de ser responsável para com as pessoas em vez de ser por elas. Posso proporcionar o meu melhor, em vez de distorcer a realidade, e procurar atingir todas expectativas reais e imaginarias."
4º Trabalho – "Quero trabalhar. Quero trabalhar numa área que me satisfaça em vez de fazer algo, que imponha a mim próprio, para atingir um objectivo. Desejo ser uma pessoa construtiva , contribuindo construtivamente, fazendo o melhor uso das minhas aptidões."
5º Dinheiro – "Não permito que o dinheiro controle a minha vida. Reconheço que preciso de dinheiro para viver, mas também preciso de manter uma perspectiva realista e saudável. Se duas prioridades (decisões) competirem entre si devo seguir os valores elevados de forma a ter respeito próprio e uma vida equilibrada."

Sistema horizontal de Intenções e Prioridades
1ª Priorirdade: Espiritualidade
2ª Prioridade: Self/Eu
3ª Prioridade: Família/Relação
4ª Prioridade: Trabalho
5ª Prioridade: Dinheiro

FONTE: http://recuperardasdependencias.blogs.sapo.pt/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque