Tratamento para dependência química com ibogaína funciona?

Uma planta africana vem ganhando destaque no mundo inteiro e gerando controvérsias. Extraída da iboga, originalmente utilizada em rituais por tribos no Gabão, na África, a ibogaína foi produzida a partir do princípio ativo isolado em um laboratório no Canadá e reacendeu a esperança de muitas pessoas como a promessa de cura para a dependência de drogas. Mas será que o tratamento para dependência química com ibogaína funciona? Os resultados iniciais do estudo feito pelo Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) indicam que a ibogaína pode ser eficiente no tratamento da dependência química. A pesquisa foi feita com 75 pacientes, entre usuários de crack, cocaína e álcool, entre janeiro de 2005 e março de 2013. Dos 67 pacientes homens, 55% ficaram livres do vício por, pelo menos, um ano. Entre as oito mulheres, a taxa foi 100%.
Como age a ibogaína?
A ibogaína é uma droga alucinógena e seus efeitos costumam durar mais de 10 horas. Segundo seus adeptos, durante o processo, aparecem várias imagens, reais ou não e, ao acordar, o dependente não sente mais fissura por drogas.
Para receber o medicamento, por via oral, eles ficaram internados por um período de 24 a 48 horas. Os pesquisadores contam que durante dez horas o paciente tem uma alteração na percepção. Nesse período, eles ficam deitados sob o efeito da medicação. Há algumas reações como tontura, náusea, vômito, tremor e um estado de confusão mental, no entanto, nenhum efeito colateral grave foi registrado neste experimento. O paciente fica em um estado intermediário entre vigília e sonho. Após este tempo de internação, o paciente é liberado para começar, em seguida, a psicoterapia.
Antes de passar pelo procedimento de desintoxicação com ibogaína, os pacientes devem passar por uma bateria de exames clínicos, permanecer 30 dias sem fazer uso de nenhum medicamento, álcool ou drogas e realizar avaliação psicológica. Pacientes cardíacos ou com doenças neurológicas não podem usar a ibogaína.
É importante ressaltar que no Brasil ainda não há regulamentação para a produção da ibogaína.O medicamento tem autorização da ANVISA somente para importação e esta tem que ser feita diretamente no nome do paciente. Sua utilização deve ter acompanhamento por técnicos e deve ser feito em ambiente apropriado. 

Quanto custa a ibogaína?

O tratamento com ibogaína é oferecido no Brasil em clinica especializadas. Um tratamento com Ibogaína é oferecido com importação direta ao paciente em valores que variam em torno de US$ 2.000,00. É importante salientar que existem varias opções na internet e é preciso averiguar sua procedência. 

Ibogaína é confiável?

Sim. apesar de precoce o uso da ibogaína, pesquisas a respeito estão sendo feitas e de acordo com a psiquiatra Ana Cecília Marques, presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (ABEAD), trabalhos como esse precisam ser encarados com reserva, pois estão longe de ser conclusivos. Segundo ela, ainda se sabe muito pouco sobre a substância. “São necessários anos de pesquisas para confirmar os dados, mesmo que as primeiras evidências apontem para resultados positivos”, afirma.

Riscos da ibogaína

Sabe-se muito pouco sobre como age a substância no organismo e quais as possíveis consequências. O que se sabe, por enquanto, é que a ibogaína pode provocar parada cardíaca em doses elevadas (deve se observar as condições da pessoa que vai tomar) e não é recomendada para pessoas com doenças neurológicas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque